Web Summit é ou não bom para o nosso país?

Tenho ouvido diversas opiniões sobre o Web Summit. Aliás, como é nosso apanágio, primeiro há uma reação de deslumbramento, sobre tudo que há de novo e depois com o passar do tempo começam a surgir opiniões e artigos. E claro, com o Web Summit não seria diferente. De notar que até o Jornal Expresso fez um artigo onde o CEO do Web Summit Paddy Cosgrave passou por patético, quando antes foi exatamente o contrário…

Em 2012 quando abri a minha primeira empresa fora de Portugal, mais precisamente em Inglaterra, Portugal era pouco conhecido e os que achavam que conheciam, pensavam erradamente, que era um país de turismo e de peixe. Inovação e tecnologia não existiam por estas bandas, logo se queríamos vender além fronteiras, teríamos de dizer que éramos Ingleses.

Hoje, e em tempo record, Portugal não só é reconhecido como um país de inovação tecnológica, como também rapidamente passou a estar no mapa da estratégia de grandes empresas ao deslocarem para cá seus hubs/polos de desenvolvimento, suporte técnico especializado em tecnologias, entre muitas outras variantes que vieram dar emprego a Portugueses e trouxeram milhares de estrangeiros para vir trabalhar em Portugal.

Logo no primeiro Web Summit em 2016 a Mercedes deslocou para Lisboa a sua unidade de desenvolvimento aplicacional para Portugal, ou seja, tudo o que vimos nos ecrãs dos Mercedes é desenvolvido em Lisboa.
Em 2017 já estava a reforçar a equipa com 100 novos engenheiros.

Quem não se lembra deste famoso video?

Corria o ano de 2017, tinha alguns escritórios para arrendar no Parque das Nações, durante os 3 dias do Web Summit foram dezenas de solicitações por parte de empresas que queriam vir para Portugal, entre elas tinha a VW e BMW, que também estes seguiram as pisadas da Mercedes e também eles já estão instalados em Portugal a desenvolver as suas aplicações. Contudo os espaços que tinha, foram para uma empresa Belga que é um dos maiores implementadores de Salesforce e a partir de Lisboa, desenvolvem para todo o mundo.

Como estes exemplos temos:

  • A Cisco abriu cá um centro de costumes experience que dá emprego a 800 pessoas altamente qualificadas
  • A Cloudflare considerou 45 cidades de 29 países dos quais escolheu Lisboa para fazer o seu centro europeu no qual irá ter 500 pessoas altamente qualificadas
  • A Oracle no Porto
  • A Google, a Amazon, a Uber, a Pipedrive, a Euronext, a Fujistu, a Huawei, a GCI, e muitas outras

 

Para terem uma ideia mais concreta em números temos em Portugal (fonte INE):

  • Nº de filiais estrangeiras em Portugal em 2017 eram 6.360 em 2018 foram 6.825
  • Empregam 487.000 pessoas
  • Volume de negócio de 22 mil milhões de euros e tem crescido desde o Web Summit cerca de 5% ao ano
  • Com salários em média 40% superiores aos que são pagos em Portugal com um valor médio de 1.354€
  • Representam 24,3% do volume de negócios gerado em Portugal

A titulo de curiosidade, só no recinto em bancas de comida, foram consumidos 300.000€ diáriamente, isto apenas no recinto do evento onde há uma oferta muito reduzida de quiosques de comida, façamos o seguinte exercício: imaginem tudo envolve o evento, restaurantes, bares, hotéis, transportes,…

Outro excelente exemplo são as StartUps, que se desenvolveram em Portugal, uma cultura de novos empreendedores que se criaram. Hoje muitos jovens terminam os seus cursos e pensam em criar uma empresa para desenvolver novas ideias, criou-se também uma nova cultura de investidores e mentores que apoiam estes jovens a terem mais probabilidades de sucesso e assim criou-se todo um novo ecossistema de empreendedorismo.

Mais uma vez, para terem uma ideia, após o Web Summit as empresas Portuguesas tiveram 1.000 milhões de investimentos em 392 rondas, onde se destacam as seguintes empresas:

  • Farfetch (que teve que se apresentar inicialmente como uma empresa Inglesa pelos mesmos motivos acima referidos)
  • Uniplaces
  • Outsystems
  • Talkdesk
  • Feedzai
  • Unbabel
  • 360imprimir
  • E muitas outras

 

Em contra partida Portugal dá 11 milhões de euros em apoios à organização do Web Summit, os quais a meu ver vale todos os euros e cêntimos, pois para além da notoriedade que traz ao país em termos de comunicação social, estes 11 milhões pagam-se apenas com os 3 dias do evento no que é gasto e impostos que são gerados, mas fundamentalmente traz:

  • Emprego qualificado
  • Novas culturas de empreendorismo e investimento “semente”
  • Uma estratégia ao país alternativa à estratégia do turismo
  • Gera impostos e exportações

Do meu ponto de vista , venham mais “ Web Summit”, o balanço final é muitíssimo positivo para todos, em variadíssimas áreas.
A minha sugestão passa , por haver menos Velhos do Restelo , vulgos “ haters”, até porque , isto sermos resistente à mudança , é coisa do passado e não nos acrescenta.

Ricardo Teixeira
Empresário | Investidor | Orador

PARFOIS – Curiosidades de uma gigante muito discreta

Quem me conhece, sabe que tenho um “Guilty pleasure” de analisar empresas, embora o tenha sempre feito de um forma silenciosa, até aqui.
Aproveitando este quase meu “Fetish” e o meu blog, decidi começar a partilhar o que pesquiso sobre as empresas que admiro. E a primeira que escolho é a Parfois!

Todos temos ideia que a Parfois é grande e está em todo o lado, eventualmente que é uma empresa Francesa, contudo será que temos a ideia que é tão grande quanto é na realidade?

Trata-se de uma empresa nacional de venda de bijuteria, acessórios de moda, roupa e calçado, sediada no Porto.
Mas tudo começou em 1994 pela vontade da sua fundadora e única accionista, MARIA MANUELA DE MEDEIROS PEREIRA SOARES  (Manuela Medeiros), na altura com 42 Anos de idade (Ver artigo: Nunca é tarde de mais para começar), uma mulher do norte, com garra, com visão e audácia quando se trata de arriscar, contudo estou certo que  não imaginava o quão grande se iria tornar a Parfois e passados 25 anos que a iria tornar uma das pessoas mais ricas de Portugal, tendo recentemente entrado para o Top20 em 2019.

Atualmente tem ao seu lado as suas filhas Mariana e Barbara na Holding Barhold S.A. detida pela Luxamburguesa Fashold SA, e recentemente chegou a ter o antigo ministro da economia Pires de Lima responsável pela internacionalização da marca, mas a sua ultima contratação de peso foi a contratação Ex-CEO da multinacional Grupo TOUS.

Por forma a compreendermos o tamanho e crescimento da Parfois, partilho alguns números de 2007 e há 12 anos era assim:

  • 34 lojas próprias em Portugal
  • 11 no estrangeiro
  • 76 lojas nacionais em regime de franchising
  • 28 internacionais sob o mesmo regime
  • 25 milhões de euros de facturação
  • 100 trabalhadores na sede, em Portugal
  • 140 nas lojas nacionais
  • 40 funcionários no estrangeiro
  • A Parfois encontrava-se em Espanha, França, Itália, EUA, Chipre, Emirados Árabes Unidos, Kuwait, Arábia Saudita

 

Agora passados 12 Anos o crescimento é tão grande que compreenderão a minha admiração para com a Parfois:

  • 939 Lojas no fim de 2018 e chegará às 1000 em 2019
  • 805 são fora de Portugal
  • 100 lojas novas por ano, ou seja, “apenas” 2 por semana!!
  • 318 em Espanha
  • 70 países em que está presente
  • 290 Milhões de euros de faturação, sendo 82% fora de Portugal e com um crescimento de 25% nos últimos 6 anos
  • 3121 Funcionários diretos sem contar com os dos franshisados, sendo 80% mulheres
  • 30 Milhões de euros de investimento em 2019 para crescer mais ainda
  • 40 designers é a equipa da Parfois e conta com 3.500 peças desenhadas
  • 834K de seguidores no Instagram
  • 2012 Abriu loja online

 

Para mim o único “erro” estratégico é a Parfois querer entrar no mercado da roupa e calçado, num segmento altamente competitivo e ocupado por marcas como a ZARA, H&M e Primark o que se torna uma luta sem hipóteses, bem como necessita de lojas maiores e uma maior velocidade de rotação de artigos e de constante necessidade de novidades, enquanto no mercado tradicional da Parfois, ou seja, bijuteria e acessórios de moda, essa necessidade não é tão grande nem tem concorrentes maiores e mais fortes que a Parfois nos mercados em que opera.

Manuela Medeiros, agora com 65 e ainda há frente do grupo, é uma mulher discreta e assume a liderança no “banco de trás”, pois são poucos os eventos ou ocasiões que representou a marca.
Uma mulher com M (grande), com o esforço acrescido de ter sido mãe de duas crianças na altura de lançamento da marca, tornou-se um exemplo impar em Portugal e uma das maiores empresas exportadoras no nosso país.
Em Portugal e Espanha é quase impossível encontrar uma mulher dos 15 aos 55 anos que não tenha pelo menos uma peça da Parfois.

O meu profundo respeito e admiração para com esta marca e sua fundadora!

E tudo o Digital Transformou e nada voltará a ser igual

Longe vão os tempos que estávamos confinados às lojas de rua da localidade onde vivíamos. Eram sem dúvida mais rentáveis para Portugal e para os empresários Portugueses, mas eram também mais limitadores nas nossas escolhas, mas também era mais fácil sermos felizes com o que tínhamos e comprávamos.
As brincadeiras eram à base da criatividade, fossem elas à apanhada ou às escondidas, ou que precisássemos de fazer bricolage infantil, pois lembro-me desde cedo de fazer trotinetes, afiar ferros para jogar ao espeta, roubar tubos de electricidade nas obras para fazer espingardas de cartuchos de papel, bem como fazer fisgas com paus de arvores.
Os nossos avós sonhavam que os nossos pais fossem médicos ou advogados e as mães professoras ou enfermeiras, os nossos pais queriam que fossemos engenheiros.
Contudo tudo mudou!!
As crianças de hoje não brincam mais na rua, nem metem a hipótese de fazer um brinquedo com recursos recursos de ferro velho e restos. Algo extraordinário para eles tem que ser algo que ainda vai ser lançado e onde eles querem ser os primeiros a ter e claro que não é nacional, nem de uma marca qualquer, tem que ser top mundial, sejam gadget, um jogo ou outra coisa qualquer na berra.
Já não brincam uns com os outros, chegam mesmo a comunicar por sms na mesma sala, jogam jogos online horas e noite a fio online. São tímidos e não comunicam, vivem no seu mundo no seu quarto, fechados e agarrados ao pc ou telemóvel.
Nós pais, queremos que eles sejam alguém na área das tecnologia, pois isso é o que “está a dar” e ouve-se falar de exemplos que ganham milhões a fazer vídeos para o youtube e com blogs, ou que criaram uma aplicação ou site que foi vendido por milhões ou biliões à Google ou Microsoft.
Esta geração não vê Televisão, vê tudo online. Não lê jornais nem revistas, discute tema mais interessantes em fóruns ou no reddit. Já não ha cd’s nem dvd’s, tudo se ouve online. Tudo é free em troca de publicidade, tudo é monitorizado com o objectivo de antever tendências e vendas.
O mundo muito mais do que imaginamos, somos meras marionetes de meia dúzia de empresas, elas controlam tudo e todos, forçaram o mundo a mudar rápido demais e grande parte dos negócios que conhecíamos não conseguiram acompanhar. Olhem para as ruas e já não há lojas, lembram-se da Kodak, Nokia, Motorola, Blockbuster, entre tantos exemplos? Faliram porque não acreditaram nesta transformação repentina.
Mesmo essa meia dúzia de empresas que controlam o mundo, ficam reféns do mercado de capitais e precisam de crescer a ritmos alucinantes e comprar tudo que tem potêncial, que vivem mais da especulação do que negócio em si. Como podem negócios honestos e comuns viver com esta concorrência? Por ex a Amazon que vende os milhares de milhões e não gera receitas.
Até os Bancos aqueles pilares sólidos que não davam passos arriscados, perderam o total controle a digitalização da banca onde o dinheiro passou a ser meros saldos e movimentos contabilísticos. De tal forma que todos estavam a perder biliões, sem se apercebem ou sem os seus reguladores perceberem.
O próprio dinheiro virtual, o Bitcoin, passou a ser uma realidade e está a substituir o dinheiro real quer em grandes transacções, quer em transacções ilícitas, sem que o mundo esteja preparado para supervisionar e controlar. O dinheiro virtual é tão procurado que tem valorizações superiores a 100% em apenas 1 ou 2 meses.
Felizmente há inovações que estão a potênciar os negócios tradicionais, por ex. o Airbnb que aluga apartamentos para férias, o Uber que veio mexer no negócio carunchoso dos Táxis, o Booking que veio potênciar o negócio da hotelaria, o comércio online veio salvar as transportadoras. Mas enquanto isso há milhares de pessoas a enterrarem-se completamente à procura de uma ideia como estas, pois só 1 em cada 100.000 projectos é que terá um sucesso relativo.
Os carros começam a ser controlados por app’s mobile, a minha por ex. já abre o carro e mete-o a funcionar. Com as casas a mesma coisa, a Amazon lançou o Echo o Google o Home e também as casas passam a ser controladas por app’s mobile e num futuro próximo até o “negócio” dos ladrões tradicionais muda, pois também estes precisam de ter profundos conhecimentos de programação.
Toda a nossa vida estão online e quem achar que não, engana-se.  Todos sabemos que não é seguro, mas não há mais como não estar. Temos medo de meter fotografias dos nossos filhos no Facebook com medo que um eventual pedófilo veja as fotografias e nos rapte as crianças, mas temos as fotos no telemóvel, partilhamos onde estamos naquele momento, acedemos ao banco, metemos todas as passwords no browser e guardamos as passwords no computador e telemóvel, estando tudo ligado à net, sem que nos apercebamos que a Google tem tudo que é nosso. A segurança é o tema do ano, os hackers andam a bloquear os computadores pessoais e das empresas em troca de dinheiro, sendo que um virus ou um ataque de um Hacker pode originar a falência de uma grande empresa, porque tudo está digitalizado e pouca coisa há impressa.
É assustador este mundo em que vivemos e no que se está a transformar, mas o grande problema desta transformação é a velocidade, a velocidade de que tudo se altera sem que o mundo e as pessoas estejam preparadas, nem a sociedade em si. Ora vejam, a esperança média de vida tem aumentado largamente, contudo os sistemas de pensões estão prestes a falir, a digitalização está a trazer desemprego e inadequação de grande parte das pessoas às funções, sendo que hoje as pessoas de 45\50 anos estão ultrapassadas e substituídas por estagiários que trabalham de olhos fechados em computadores e no digital. Ou seja, se vivemos mais tempo e mais cedo as pessoas estão ultrapassadas, vão precisar de mais tempo de pensões e subsidio de desemprego, se este está falido… Como será o futuro? É que aquela expressão “nem que vá para as caixas de supermercado” funciona mais, pois até esta função em breve deixará de existir.
No futuro trabalhar é ser freelancer, é trabalhar de qualquer lado, a qualquer hora e para qualquer continente, há apenas um requisito comum, ser fluente em Inglês. Cada vez mais irá falar-se um idioma, cada vez menos haverá empregos e se pagam impostos sobre o trabalho. Os cursos não serão valorizados, pois basta ser bom e ter exemplos de trabalhos anteriores, os nossos filhos são de tal forma estimulados no digital que a escola não tem qualquer interesse, pelo que passam a aprender tudo, mesmo tudo, no Youtube e nos Blogs, e duvidas à sempre alguém disponível num forum.
Antigamente dizia-se “O futuro a deus pertence” e até este ditado antigo já não é mais verdade e está ultrapassado, pois na verdade o futuro à inovação digital pertence e a quem a conseguir acompanhar.

Nunca é tarde para começar um sonho

Uma das coisas que mais oiço de amigos e conhecidos que gostariam de ter seguido o caminho de empresário é que iniciei muito cedo e como tal “agora já não vale a pena começar” ou “agora já é tarde”.

Para mim são meras desculpas de quem não teve força para começar, nem há anos atrás nem agora. Muitas vezes preferimos esconder atrás de desculpas do que iniciar um caminho.

O que é certo é que quem nunca começou, jamais irá chegar ao destino.

Há uns anos quando iniciei os meus pensamentos sobre a internacionalização de uma minha participada, não conseguia visualizar como iria faze-lo nem muito menos como iria ser capaz. Sabia no entanto qual seria o objectivo que queria atingir e comecei pelo mais importante – Iniciei o caminho!

Iniciar o caminho é antes de tudo começar a pensar, investigar um pouco todos os dias, pensar no objectivo todos os dias, nem que sejam 10 minutos… é enviar emails, é pesquisar, é ver quem é quem, é simular, é falar,… Tudo isto x365 dias é mesmo muito tempo, são muitos passos e muitas horas e ao final de 1 ano temos uma ideia clara na nossa cabeça de como lá chegar ao nosso objectivo.

Até este passo, não foi preciso dinheiro, não foi preciso ninguém se despedir,… foi apenas preciso pensar, não ter preguiça de fazer um pouco todos os dias para conseguir arquitectar o inicio de um projecto.

Esta ilustração demonstra bem que alguns dos muitos exemplos de grandes empresários que iniciaram a sua carreira supostamente “tarde”.

Se iniciar “cedo” tem a parte positiva de ter mais anos para construir, também tem a parte negativa da falta de maturidade e de experiência.

A mensagem que pretendo passar é que seja qual a idade que tenhamos o que conta é a força de vontade e começar, o resto são meras desculpas.

Para além da compra e venda de participações nas empresas

 

Nas várias vendas que fiz de empresas e participações o focus esteve sempre no negócio (claro), nas auditorias, mas essencialmente nos contratos… cerca de 70% do tempo decorrido esteve sempre de facto na protecção das partes com parassociais e clausulas de protecção dos interesses de cada uma das partes. Sendo que por mais cláusulas que existam, se a relação não correr bem, não há clausula ou negócio que resista.

Desde então que tenho pensado no tema e tenho analisado a forma como os processos decorrem, nomeadamente o conhecimento entre as partes que passa apenas 3 ou pouco mais reuniões, uns almoços e o resto é entre os advogados, auditores e contabilistas. No final assina-se contratos, vamos almoçar para comemorar e brinda-se ao futuro.

Foi sempre obvio para mim que este tipo de processo tinha 50% de chances para correr mal e que se esqueciam sempre do mais importante: O conhecimento mutuo das partes e a forma como estas iriam dar-se no dia-a-dia.

Acima de tudo ter uma sociedade é uma relação, tal como a de casados, a de grande amigos, entre outras. A diferença é que os casamentos têm um período de namoro e mesmo assim o namoro chega a durar mais tempo que o de casados, bem como os amigos são grandes amigos até irem de férias juntos. Logo a de sócios, onde há tensões, problemas de caixa, entre outros, está exposta a que uma relação possa de facto correr mal e quando acontece não há negócio que resista, nem em pequenos negócios, nem em grandes Por Ex. o que se passou no BCP, na Apple há uns anos ou o que se está a passar no BES com os primos.

Se para contratarmos um colaborador que “podemos” despedir a qualquer momento fazemos rigorosos processos de selecção, então porque para fazermos uma sociedade não fazemos o mesmo de forma bilateral?
É de facto um tema muito oportuno e que nunca vi acontecer, mas que me faz todo o sentido.

Afinal desmanchar uma sociedade, pode ser bem mais difícil e oneroso que um divorcio, pode custar mesmo a dissolução da sociedade. Então porque não há mais rigor nos típicos processos de aquisição ou de formação de sociedades?

A meu ver deveria haver processos de selecção e de compatibilidade entre sócios, pois poderia ser uma excelente forma de acautelar futuros grandes problemas ou até servirem de conselhos de como ultrapassar os problemas do dia-a-dia de uma sociedade.

Aqui fica uma dica de oportunidade de negócio para os profissionais de RH.

Ricardo Teixeira

 

Até os roubos foram transformados com o Digital

A propósito do que se passou no passado dia 12 de Maio, em que voltámos do almoço e as noticias de ultima hora, eram sobre os ataques a grandes empresas por todo o mundo tinham sido alvo, levou-me a escrever este artigo e reflectir sobre o tema, coisa antes nunca me tinha passado pela cabeça escrever um artigo sobre ladrões, nem muito menos sobre os ladrões do futuro!

Para mim e penso que para todos nós, os ladrões roubaram coisas físicas, fosse de forma de abordagem directa ou na nossa ausência, eles roubavam algo fisico, carros, casas, carteiras, fios, dinheiro,…

Hackers era coisa de filmes e de total ficção que roubavam bancos, empresas de software mais propriamente o código fonte de programas, formulas e documentos confidenciais de farmacêuticas e a NASA que era o sonho de qualquer hacker. E assim era, jamais nos preocupávamos que um dia um hacker queria nos roubar algo, pois só faziam roubos de coisas grandes “à séria”, para passarem o resto da vida algures numa ilha paradisíaca.

No entanto também esta “actividade” não ficou desactualizada e com a digitalização da sociedade também ela foi alvo de transformação digital e vejamos:

Os carros já há muito que tinham muita electrónica, quando eu era pequeno apareceram os primeiros carros com vidros eléctricos e era TOP, contudo com a massificação do uso das app mobile, num futuro muito breve todos os carros estarão ligados às app mobile, a partir das quais será possível ligar e abrir o carro com o telemóvel, bem como verificar e analisar diversos parâmetros do carro.

Como tal se ha interligação, há comunicação entre o telemóvel e o carro nas suas mais essenciais funções, então será possível a hipótese de um hacker interceptar essas mesmas comunicações.

No entanto, ha outro aspecto ainda mais preocupante, pois aquela “ficção” dos carros andarem sozinhos, deixou de ser ficção e já é uma realidade que cada vez mais vai ser massificada. Logo: Se o hacker consegue interceptar o carro e o carro anda sozinho, ele conseguirá roubar o carro há distancia e este vir ao seu encontro? Sim, claro! Estou certo que em breve haverá o primeiro caso.

E as casas? 

Bem, essas felizmente não andam e não vão sozinhas e espero que o que víamos nos filmes das pessoas viverem em naves, esteja muito mas muito longe!

Contudo também as casas, cada vez mais elas são comandadas por apps, pois o conceito da domótica está também a ser todo alterado e massificado, onde empresas como a Apple, Google e Amazon estão a desenvolver conceitos realmente fantásticos e que irão permitir qualquer pessoas ter uma casa inteligente através de dispositivos tipo plug-in que se instalam em casa, sejam eles luzes, temperatura, video-porteiro, sistemas de rega, mas também portões e portas, entre outros aspectos. Neste sentido todas estas comodidades e inovações terão o seu lado “negro” pois também as casa ficam mais vulneráveis a hackers que podem entrar nas nossas casas de uma forma física, mas também de uma forma remota e assim ver a nossas privacidade e expo-la online. Mas não só, pois um hacker pode-nos prender na nossa própria casa e fazer-nos reféns em troco de dinheiro (virtual bitcoins) para nos libertar e abrir as nossas portas. Isto já aconteceu!!

Há um principio básico que poderá responder a mais questões: Se está interligado com outros dispositivos e se algum desses dispositivos está ligado à internet, então é possível ser “Hackado”, sendo a variável o nível de esforço que o hacker está disposto a ter. No nível de esforço está o nível de protecção\Segurança, bem como a recompensa vs o nível de esforço.

A recompensa nem sempre é monetária, pois pode ser apenas “fama”, por ex. o que se passou na passada sexta-feira dia 12 de Maio, onde fomos surpreendidos com as maiores empresas do mundo a serem hackadas, nomeadamente a Telefónica, a Altice, Vodafone, o Sistema Nacional de Saúde Inglês, Disney e entre muitas outras.

Os hackers pediam cerca de 300$ por computador em bitcoins, contudo ninguém acreditou que essa seria a real motivação deles, até porque em centenas de milhares de computadores, apenas foram pagos cerca de 50.000$ e mesmo esse valor eles não vão levantar, porque sabem que podem de alguma forma ser “trackados” (seguidos).

A motivação deles era sentirem o seu poder e serem anónimos famosos e procurados, porque são miúdos com cerca de 16 a 20 anos, com enorme inteligência que vivem numa época onde os divertimentos também eles foram transformados, pois no meu tempo e com a idade deles fazer coisas perigosas era andar de mota a fugir à policia, tocar às campainhas,… eles é fazerem coisas realmente grandes para serem noticia no mundo.

No entanto eles vão crescer e no futuro podem vir a ser engenheiros de topo nas maiores empresas e responsáveis pela cyber segurança, como podem ser ladrões de grande escala e de forma remota.

Uma coisa é certa, se estamos online, estamos sujeitos, seja por telemóvel, relógio, computador, casa ou carro, o risco está lá. Mas também já estava anteriormente, a única diferença é que agora cada vez mais é digital, como tudo o que nos rodeia nos dias de hoje e no futuro ainda mais será.

Prémio de distinção pelo UK Trade & Investment (UKTI)

Foi com enorme orgulho que recebi no passado dia 1 de Julho, pela mão do Sir Alan Parker, British Business Ambassador para Professional & Business Services e pela mão de Jill Gallard Embaixadora do Reino Unido em Portugal o prémio Tech City. Este prémio visa distinguir as empresas tecnológicas que investiram em UK, que dão emprego e geram volume de negócios entre estes dois países.

Embora muito grato por termos aqui chegado, estou certo que iremos chegar muito mais longe e a outros países com a nossa estratégia.

Acredito que Portugal tem fortes razões para se posicionar além fronteiras, mas não podemos esperar que sejam os nossos politicos a levarem-nos ao “colo”, temos de ser nós e ter uma boa oferta para nos posicionar em mercados tão competitivos.

Embora não sejam os prémios que nos motivam, é com orgulho que os recebemos.

Obrigado!

Photo by Jake Blucker on Unsplash

Ser empresário é…

  • Ter uma ideia concreta de um negócio e acreditar verdadeiramente nela;
  • É ter uma visão concreta de onde o consegue imaginar dali a x tempo;
  • É conseguir visualizar o 360º de todas as áreas do seu negócio;
  • É ter a capacidade de entender um pouco de todas as disciplinas que constituem o seu negócio, seja na vertente financeira, contabilistica, comunicação, marketing, publicidade, recursos humanos, produção, logística, comercial,…
  • É ter a capacidade de superar todos os desafios que qualquer negócio tem todos os dias;
  • Contudo é preciso também ter a capacidade de saber quando parar e sair;
  • Mas também saber quando deve dar o tudo por tudo seja investimento ou dedicação;
  • É saber-se reinventar sempre que assim a sua empresa exige;
  • É saber motivar os outros sabendo que a si nunca terá um chefe que nos motive ou que nos diga uma palavra de apresso;
  • É ter a noção que o dinheiro em caixa nunca é nosso e que deverá ser sempre bem estudado quando pode haver distribuição de lucros por forma a que esta tirada nunca meta em causa a continuação do negócio;
  • É aceitar que nunca iremos ter um horário de trabalho e que este nos segue 24x7x365;
  • É ter a consciência que muitas vezes somos os últimos a receber ou até pode haver situações e alturas que para além de não recebermos ainda temos de emprestar dinheiro à empresa;
  • É ter a capacidade de transformar um problema numa solução;
  • … em desenvolvimento para sempre.

Pode parecer por esta descrição que ser empresário é alguém fora de série, mas não! Ser empresário é como deveria ser qualquer profissão onde é preciso ter paixão pelo que fazemos e acreditamos, pois se tivermos essa paixão, temos estas e muitas outras capacidades e fazemos muito mais que isto.

Mas é preciso ter a paixão e acreditar no negócio!

Photo by Jake Blucker on Unsplash